Home / Emagrecimento / Criolipólise lipo sem corte sem dor

Criolipólise lipo sem corte sem dor

Criolipólise lipo sem corte sem dor 

A criolipólise é feita com a ajuda de um aparelho específico cujos aplicadores acoplam-se perfeitamente às diferentes áreas do corpo. O endocrinologista Danilo Hofling, da Sociedade Brasileira de Medicina Estética, conta que a ponteira do aparelho realiza um poderoso vácuo que promove a sucção da pele e da porção de gordura localizada. Ao mesmo tempo, o resfriamento intenso e controlado da gordura destrói as células de gordura. O resfriamento controlado age danificando seletivamente as células adiposas, que são mais sensíveis ao frio, sem causar qualquer dano a nervos, músculos e outras estruturas próxima. “Na prática o que acontece é a morte da célula de gordura”, explica.

O aparelho da criolipólise é adaptado para cada área do corpo. “Para a região da barriga existe uma ponteira grande, já para as costas e pneuzinhos laterais utiliza-se a ponteira menor”, explica a dermatologista Mariana Barbato, da Sociedade Brasileira de Dermatologia. A eliminação das estruturas dos adipócitos destruídas com a baixa temperatura é feita pelo sistema imune e a gordura no interior das células é conduzida ao fígado pelo sistema linfático para sua metabolização. Uma vez que o sistema linfático leva apenas uma pequena quantidade diária de gordura para ser metabolizada, não há perigo de sobrecarga do fígado nesse processo.

Indicações da criolipólise

A criolipólise não é um tratamento para sobrepeso ou obesidade. Ela é opção para pessoas que tenham gordura localizada em algumas regiões corporais, o famoso pneuzinho. De acordo com o fabricante, o procedimento elimina até mesmo aquela gordura incapaz de ser combatida com dieta e exercícios físicos.

Áreas de aplicação

A criolipólise pode ser feita apenas em algumas partes do corpo, aquelas que se adaptam bem as ponteiras. Não é possível fazer no rosto, por exemplo, porque o aplicador não se encaixa. De acordo com o fabricante do aparelho, há a perspectiva do lançamento de ponteiras que se adaptem a outras partes do corpo.

“A paciente poderá tratar áreas de qualquer tamanho com a criolipólise, mas numa área maior o procedimento deve ser dividido em dois momentos na mesma seção, para que toda a área seja tratada”, explica a dermatologista Mariana Barbato.

Resultados da criolipólise

Barriga chapada - foto: Getty Images

Barriga chapada

A dermatologista Mariana Barbato explica que uma ou duas sessões já são suficientes para trazer resultados. Mas há casos em que são necessárias mais sessões. A partir do décimo dia a quebra de gordura já pode ser visível, mas o efeito máximo acontece de dois a três meses após a sessão. “É possível medir a diferença na fita métrica, mas a melhor maneira de fazer a comparação de fotografias de antes e depois, na mesma posição”, explica a especialista. Em uma única sessão, estudos científicos em Harvard apontam redução de 20% a 25% da gordura localizada na região tratada. Mas claro, os resultados variam de pessoa para pessoa.

A dermatologista Tatiana Jerez, da Sociedade Brasileira de Dermatologia, conta que caso a gordura removida na primeira sessão não tenha sido suficiente, uma segunda sessão pode ser feita cerca de dois meses após a primeira no mesmo local. “Não existem sessões de manutenção, para manter o resultado obtido deve-se evitar o ganho de peso, através de hábitos saudáveis: dieta balanceada e pratica de atividade física”.

criolipolise

Cripólise lipo sem corte sem dor  o que é exatamente

Uma técnica que congela áreas do corpo para eliminar gordura. Tem gente que diz que dá certo. E tem gente que saiu bem machucada do procedimento. O Fantástico foi conferir que tratamento de beleza é esse que tem feito tanto sucesso. E dá dicas para você não entrar numa fria.

Veja aqui o link para a página da Anvisa: saiba se a máquina utilizada no procedimento tem o registro da agência.

“Eu fiz pra tirar a gordura do abdômen”, diz Wilde.

“Pra perder o peso”, conta Michelle.

Wilde e Michelle são jovens, bonitas e saudáveis. Tinham apenas uma reclamação: aquela gordurinha localizada difícil de tirar na malhação.

“Por mais que eu emagrecesse, a região da barriga é onde ficava”.

As duas procuraram o mesmo tratamento. E as duas acabaram com queimaduras profundas.

“Ficou duas marcas bem vermelhas”, mostra Wilde.

“Como se eu tivesse encostado na panela”, compara Michelle.

“O meu umbigo desapareceu”, lembra Wilde.

Michelle prefere nem mostrar o rosto. Para esconder a mancha que ficou, ela fez uma tatuagem:

“Foi terrível”, lembra.

O tratamento que elas fizeram tem um nome difícil: crio-li-pó-li-se.

‘Crio’ significa frio. Lipólise é o termo científico para ‘destruição de gordura’.

“Esse tratamento é um dos mais utilizados pra aquelas pessoas que não querem fazer uma lipoaspiração. Aquela pessoa que quer reduzir medida e excesso de peso e quer continuar trabalhando no mesmo dia”, explica o médico Gabriel Gontijo.

A técnica surgiu em 2008 em uma das universidades mais respeitadas do mundo, Harvard, nos Estados Unidos. Dois anos depois, virou tratamento de beleza. E de lá pra cá, invadiu clínicas de estética do Brasil.

Feita de forma correta, não causa queimadura. O Fantástico foi ver de perto. E mostrou como é feita a criolipólise.

Médico: Essa é a ponteira. Faz um vácuo, para gordura, junto com a pele, entrar nessa cavidade, onde você tem nas extremidades duas placas que vão congelar essa gordura.

A aplicação impressiona.  A pele é totalmente sugada.

Médico: A pele é resfriada até menos 7 graus centígrados.

A região literalmente congela. Quando ela tira aqui o aparelho, dá pra ver que fica uma boa saliência né? Ainda está bem gelada aqui essa região.  Agora é preciso massagear para que volte ao normal.

O frio diminui a passagem do oxigênio pelas células de gordura. Com isso, elas morrem. Com a baixa temperatura, as células mortas cristalizam — viram pedrinhas bem pequenas que são levadas pelo sangue para o fígado e depois eliminadas pelo organismo.

A criolipólise promete diminuir de 20% a 25% da gordura localizada. Após muita pesquisa, a Amarillis fez o tratamento e gostou do resultado:

“Eu acho que eu perdi uns seis, sete centímetros,” avalia Amarillis.

Mas, com o aumento na procura, cresceu também o número de pessoas que oferecem o tratamento sem treinamento adequado.

“A pessoa era inexperiente. Ela estava muito trêmula na hora de pegar, de fazer”, lembra Wilde Rodrigues.

Fantástico: Por que existe queimadura?
Médico: Primeiro, o aparelho pode não ter um controle ideal da temperatura atingida. Segundo, você precisa de uma manta íntegra.

Essa manta é colocada entre a pele e o aparelho para proteger o corpo da paciente.

Médico: Se essa manta rasga, dilacera, você não consegue fazer aspiração e a temperatura pode atingir a pele.

Foi exatamente um problema com a manta que causou a queimadura na Wilde.

“O aparelho sugou a manta. Então, em vez de ela descartar a manta
Ela foi, tirou da maquininha e colocou novamente no meu abdômen,” conta Wilde.

Com a Michelle, o erro foi outro.

Fantástico: Qual foi o intervalo que você teve entre a primeira sessão e a segunda sessão?
Michelle: Foram 15 dias.

Médico: Só após o prazo de 90 dias pode se pode indicar outra sessão.

Fantástico: Qual o risco de fazer duas sessões assim tão pertinho?

Médico: Você pode provocar uma inflamação exagerada por baixo da pele.

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, a sessão, feita corretamente, sai caro. Varia de mil a mil e quinhentos reais. Mas tem gente fazendo por bem menos:

fonte :

Dermatologista Cláudio Mutti (CRM/SP: 59687), membro da Sociedade Internacional de Medicina Estética.

Endocrinologista Danilo Hofling (CRM/SP: 55221), membro da Sociedade Brasileira de Medicina Estética.

Dermatologista Mariana Barbato(CRM/SC: 10877), membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Dermatologista Tatiana Jarez (CRM:116926), membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Fonte: site Minha Vida  / Fantástico