Home / Saúde / Como detectar um possível câncer de pele

Como detectar um possível câncer de pele

Como detectar um possível câncer de pele

O câncer da pele é a  doença que mais se detectou em todo o mundo. A pele é o maior órgão do corpo humano,  encarregado de várias funções como, por exemplo, a proteção de lesões; protegendo o corpo como uma barreira protetora contra os potentes microrganismos que podem nos resultar mortais. Da mesma forma, funciona como um depósito de água  no armazenamento do tecido adiposo, regulando a temperatura corporal

Há fatores que influenciam e muito na aparição dessa enfermidade, como os raios UV que libera o sol com sua intensa radiação. Os raios ultravioletas causam mutações no DNA das células da pele, o que altera a carga genética e se converte em uma célula maligna. Em todo o mundo essa doença se faz presente com maior estatística nas pessoas com pele clara.

Tipos de câncer de pele

Carcinoma basocelular

Este tipo de câncer surge em regiões do corpo como o rosto e na região frontal do nariz.

Normalmente, as pessoas podem desenvolver maior risco por herança genética, o que aumenta as possibilidades do câncer.  Os raios UV, a exposição a elementos químicos como o arsênio também influenciam o surgimento das células cancerígenas cutâneas.

Carcinoma das células escamosas

Esse tipo de câncer pode apresentar-se em partes do corpo onde a luz do sol atinge diretamente devido a ação dos raios ultravioletas no tecido cutâneo. No entanto, não é garantia que somente surja nessas regiões de exposição. O carcinoma de células escamosas em um estado inicial mostra-se com uma coloração vermelha, podendo aparentar-se também como uma verruga. Esse classe de câncer afeta  normalmente a região onde aparece, porque se aloja com mais profundidade nos tecidos, no entanto, também existe a possibilidade de estender-se, penetrando nas partes de alto risco podendo causar morte.

Melanoma

É um tumor melânico, que se apresenta com uma cor escura devido o aumento da melanina, um pigmento secretado pelas células que tornam a pele de cor escura como as de cor negras e marrons. O melanoma é a principal causadora das mortes de câncer de pele, e surgem com mais frequências  em pessoas de cor branca. Em torno de 165.000 casos de melanoma são detectados no mundo a cada ano, dos quais 48.000 são vitimas fatais. Estas células são geralmente muito invasivas porque possuem uma grande capacidade de metástase e estende-se pelo corpo. Outros órgãos que podem ser comprometidos são os intestinos e olhos. O melanoma é responsável pela morte de 75% das pessoas com câncer de pele.

Geralmente, um dos fatores mais influentes na aparição dessa doença, é a exposição aos raios solares, no entanto, existem maquinários  que usamos diariamente, e cremes e loções como os bronzeadores, que são fatores importantes para prevenir a doença. Existem métodos para o cuidado e prevenção do câncer de pele.

Recomendações para prevenir o câncer de pele

Existem fatores de risco para as pessoas que no dia a dia tem contato direto com a luz solar, e deveriam tomar medidas de prevenção, porque estão suscetíveis a ter um câncer de pele. O indicado para pessoas que necessitam por qualquer motivo estar expostas por muitas horas ao raios solares é o uso de:

  • Boné
  • Viseiras
  • Chapéus
  • Protetor solar

Dê maior atenção às pessoas brancas e com olhos claros, com  aproximadamente 50 anos que são as mais vulneráveis a esta doença.

No geral, os fatores que causam o surgimento do câncer são:

  • Exposição em excesso a luz natural ou artificial. Para evitá-los e prevenir a ação prejudicial dessas luzes, utilize sempre o filtro solar
  • Pessoas com olhos claros
  • Sistema imunológico debilitado
  • Mudanças genéticas relacionadas com esse tipo de câncer
  • Exposição ao arsênio
  • Exposição a altas doses de radiação
  • Não esqueça! Use sempre protetor solar! Cuide-se.
  • Na consulta médica

    Quando você for ao médico dermatologista, pode dizer a ele quais são as pintas que mais te preocupam. Ele fará uma análise em todos os sinais da sua pele usando um dermatoscópio (aparelho portátil que funciona como uma lente de aumento). Caso ele encontre uma lesão suspeita, poderá coletar um pouco de tecido para pedir uma biópsia ou então encaminhará você para um exame de dermatoscopia digital. Se o dermatologista não encontrar nada suspeito, você deverá continuar fazendo o acompanhamento anualmente, principalmente se tiver algum fator de risco.

    O dermatologista provavelmente fará uma série de perguntas. Estar pronto para respondê-las pode otimizar a consulta e sobrará tempo para você tirar outras dúvidas. O médico pode perguntar:

    • Quando você começou a notar este crescimento da pele ou lesão?
    • Tem crescido significativamente desde que você o encontrou pela primeira vez?
    • É uma lesão dolorosa?
    • Você tem outros crescimentos ou lesões parecidas?
    • Você já teve um câncer de pele anteriormente?
    • Você foi muito exposto ao sol quando era criança?
    • Você se expõe muito ao sol agora?
    • Você está tomando ou já tomou algum medicamento?
    • Alguma vez você já recebeu radioterapia para outra condição médica?
    • Você já tomou medicamentos que afetam o sistema imunológico?
    • Há condições médicas significantes para as quais você foi tratado para, inclusive na sua infância?
    • Você fuma ou já fumou? Por quanto tempo?
    • Você toma precauções para se manter seguro do sol, tais como evitar horários de picos e usar protetor solar?
    • Você examina sua própria pele com que frequência?.
    • Prevenção

      Cuidado com a exposição solar

      É extremamente importante evitar a exposição solar sem proteção adequada para prevenir o câncer de pele. Para isso, é necessário adotar uma série de hábitos:

      • Usar filtro solar FPS no mínimo 30, diariamente. Reapliqueo pelo menos mais duas vezes no dia e espere pelo menos 30 minutos após a aplicação para se expor ao sol
      • Procure evitar os momentos de maior insolação do dia (entre 10h e 16h) e fique na sombra o máximo que você puder. O sol emite vários tipos de radiação, sendo os tipos UVA e UVB os mais conhecidos. Os raios UVB são os mais prejudiciais, responsáveis por aquela pele avermelhada, que fica ardendo, e sua concentração é maior nos horários centrais do dia, quando o sol está mais forte. Já os raios UVA são aqueles que deixam a pele bronzeada e oferecem menos risco
      • Além do protetor solar, use protetores físicos, como chapéus e camisetas

      Conheça sua pele

      Examinar sua pele periodicamente é uma maneira simples e fácil de detectar precocemente o câncer de pele. Com a ajuda de um espelho, o paciente pode enxergar áreas que raramente consegue visualizar. É importante observar se há manchas que coçam, descamam ou sangram e que não conseguem cicatrizar, além de perceber se há pintas que mudaram de tamanho, forma ou cor. O diagnóstico precoce é muito importante, já que a maioria dos casos detectados no início apresenta bons índices de cura.

      Vá ao dermatologista

      É importante que as pessoas com fatores de risco sejam acompanhadas por um dermatologista. Em casos mais arriscados, a recomendação do médico pode ser a prevenção absoluta contra exposição solar. Nessas situações, pode ser que o especialista receite suplementação de vitamina D, para evitar a deficiência e conseguir manter o paciente o mais longe possível do sol.Para pacientes que já sofreram como câncer de pele e foram tratados, é ainda mais importante o acompanhamento. Uma vez tratado, o paciente com câncer de pele não deve ser abandonado nunca. O dermatologista irá acompanhar o local de onde o câncer foi retirado, principalmente a pele no entorno, e cuidar para que o tumor tenha sido completamente removido e tratado.